Zumbido no Ouvido, uma luz no fim do túnel

Pesquisas recentes realizadas nos Estados Unidos constataram que cerca de 50 milhões de americanos já apresentaram algum evento de zumbido no ouvido, sendo que, 12 milhões procuram ajuda médica e cerca 2 milhões estão gravemente incapacitados sem conseguir dormir, trabalhar ou se concentrar.

Muitos destes entrando em um quadro de depressão. Este cenário tem contribuído para o grande aumento de pesquisas neste tema, uma vez que, até pouco tempo atrás, pouco se conhecia e por consequência, pouco podia ser feito para ajudar os portadores de zumbido no ouvido.

A ciência tem avançado no sentido de identificar as causas do zumbido, bem como a suas formas de tratamento, é verdade que o zumbido pode ser causado pela exposição a ruídos altos, porem ele também pode surgir por inúmeras outras causas que não estão diretamente relacionados a audição propriamente dita.

O Professor Doutor Michael Kilgard, pesquisador da Universidade do Texas, constatou em seus trabalhos que na maior parte dos casos, a percepção do zumbido ocorre no cérebro e não nos ouvidos.

Portanto um diagnóstico diferencial, aprofundado e multidisciplinar é essencial para um bom prognóstico de tratamento, ficando, bem claro que, não há uma "Receita de Bolo" nem um diagnóstico pré-estabelecido para o tratamento do zumbido no ouvido e bem como da dor orofacial e da ATM (Articulação temporomandibular), muitas vezes relacionada a este eventos de zumbido.

A boa notícia é que as pesquisas tem evoluído muito, e a cada dia surgem novas terapias, reacendendo a esperança do tratamento aos portadores do zumbido no ouvido.

Portanto a nossa dica é ... não se conforme com o zumbido, busque ajuda!!!

Por Dr Paulo Coelho, especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial

Fonte de Pesquisa: American Tinnitus Associat

 

Comments are closed.